sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Um dia Daqueles


Todo mundo tem um dia “daqueles”. São dias miseráveis, quando você se sente um lixo, sem ânimo para nada, sozinho no mundo e literalmente “acabado”. São dias em que você se sente minúsculo, insignificante, e tudo parece fora de alcance. Você não consegue levantar naaaada. Começar qualquer coisa parece impossível.
Em dias assim, você pode se tornar paranóico, achando que todo mundo está a fim de te pegar. Você se sente frustrado e ansioso, com ganas de roer as unhas, o que pode, num piscar de olhos, transformar-se na incontrolável compulsão de devorar um bolo de chocolate inteirinho.
Num dia “daqueles”, você se sente mergulhado num oceano de tristeza. Você fica a ponto de se derreter em lágrimas, sem ao menos saber por quê. Você se sente como se estivesse perambulando pela vida sem propósito. Você nem sabe quanto tempo mais dá para se segurar. Dá até vontade de gritar: “Vamos, acabem logo com isto!”
E nem precisa muito para começar um dia “daqueles”. Talvez você acorde sentindo que sua cara não está das melhores, descubra algumas novas rugas, que ganhou uns quilinhos a mais, ou que nasceu “aquela” espinha no nariz. Você pode se esquecer do aniversário de sua namorada ou ver que alguém tirou sua foto com cara de bobo.
Você pode ser descartado, abandonado ou despedido, fazer papel de idiota em público, receber um apelido constrangedor, ou simplesmente levar uma “lavada” de alguém.
Você pode acabar com uma tremenda dor de cabeça, uma hérnia de disco, mau hálito, dor de dente, gases, boca seca, ou uma maldita unha encravada!
Qualquer que seja a razão, você acaba convencido de que alguém lá em cima não vai com a sua cara...
Ai, o que fazer? O que fazeeeeer?
Bom, se você é como todo mundo, pode se agarrar à crença idiota de que tudo há de dar certo no fim. Daí, você vai passar o resto da vida olhando por cima do ombro à espera da próxima cilada que o destino está reservando para você. Vai se tornar cínico e rabugento, ou uma vítima chorona e patética...
E a coisa vai por aí, até voe se sentir deprimido, com vontade de deitar-se e implorar para que a terra o engula de uma vez. Ou, o que é pior, achar que não dá mais para tocar em frente.
Isto é uma loucura, porque só se é jovem uma vez e não se fica velho duas vezes.
Quem pode dizer quais as coisas fantásticas que estão logo ali, no virar da esquina?
Afinal de contas, o mundo está cheio de descobertas surpreendentes, coisas que você nem imagina!
Há perfumes deliciosos e apetitosas refeições a dividir!
Você pode até tornar-se fabulosamente rico e um dia até uma enorme superestrela!
Parece bom, não é? Mas espere, tem mais!
Há reviravoltas na vida, brincadeiras, ioga, karaoquê, e danças malucas, selvagens...
Mas o melhor de tudo é que há romance. O que pode significar olhares sonhadores, besteirinhas sussurradas ao ouvido, chamegos, beijocas, mais beijocas e ainda mais beijocas, até uma ou outra mordidinha de amor. Bom, daí tudo pode rolar...
E o que é preciso fazer para você se sentir como se estivesse mergulhado numa deliciosa banheira de espuma?
É fácil!
Em primeiro lugar, pare de se esconder pelos cantos. É hora de ir à luta!
Relaxe...Inspire e solte o ar lentamente pela boca. Tente meditar. Ou saia para um passeio para refrescar a cabeça.
Aceite o fato que você vai ter de deixar para trás uma certa carga emocional...
Tente ver as coisas de outro ângulo. Talvez um pouco de culpa seja sua. Se for esse o caso, tenha coragem para pedir desculpas. Nunca é tarde para isso.
Se alguém estiver pisando na bola, levante a cabeça e diga: “Isso está errado e eu não vou engolir!” É bom ser enérgico de vez em quando.
Mas pegue leve. Nem sempre é bom botar pra quebrar.
Orgulhe-se de ser como você é, mas nunca perca a capacidade de rir de si mesmo.
Isto é bem mais fácil quando você está no meio de gente alegre.
Viva cada dia como se fosse o último, porque um dia vai ser mesmo.
Não hesite em abocanhar mais do que você pode. Assuma riscos. Jamais recue. Meta as caras! Vá em frente!
Afinal de contas, a vida não é uma loucura?
Bom, pelo menos é isso que eu acho.

Bradley Trevor Greive

2 comentários:

Gisele disse...

Ei afilhada esse texto é pra mim, né? rsrsrs
Achei lindo e útil!
Eu sofro muito preconceito por estar acima do peso e olha que só a pouco tempo que passei pra um IMC de obesidade! O maior preconceiro é com a minha família, minha "Mãe" me trata como se eu tivesse uma doênça rara, contagiosa e sem cura! Sem contar que sempre que pode me compara com minha irmã linda, de 18 anos, magra, loira de olhos verdes!
Estou aprendendo duramente a não deixar isso me afetar. Não é fácil! Mas sou brasileira e não desisto nunca!!!!!!!!
Beijossssssssss

Dricca Bianco disse...

Oi madrinha, adorei o post, nossa, foi um chaqualão em mim, hehehe.

Hoje um amigo veio em casa e dei uma ajeitada no pc, ficou melhor.

Kel, tenha um lindo fim de semana.

Bjinsssssssss.